Por que as águas dos rios Negro e Solimões não se misturam?

Porque a composição química, a temperatura e a velocidade dos dois são diferentes. Ao longo de um percurso de cerca de 6 km, os rios Negro e Solimões andam lado a lado sem se misturar antes de se tornarem um só – o grande Rio Amazonas. Segundo Karime Bentes, professora de Química da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), o fenômeno, conhecido como Encontro das Águas, acontece devido à diferença de “composição e acidez, aliada à temperatura e à velocidade das duas correntezas”. O Rio Negro, que carrega uma grande quantidade de matéria orgânica desde sua nascente na Colômbia (o que dá o tom escuro à sua água), corre a cerca de 2 km/h com uma temperatura de 28ºC. Já o Solimões, que nasce nos Andes peruanos e tem uma água de aspecto barroso, devido a uma carga de sedimentos vindos da erosão de solos de origem vulcânica, faz o percurso em uma velocidade aproximada de 4 a 6 km/h a uma temperatura de 22ºC.

 

Pergunta: Caina Chiarini, São Paulo, SP

 

CONSULTORIA: Karime Bentes, professora de Química da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Rodrigo Marques, químico do Departamento de Físico-Química da Unesp, e Cláudio Furukawa, físico do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP)

 

Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/materia/por-que-as-aguas-dos-rios-negro-e-solimoes-nao-se-misturam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.